Um blog cheio de ideias. Algumas soltas... outras nem tanto! Foi a forma de uma copy perdida se encontrar, finalmente, com as suas palavras... E consigo mesma.

Saturday, June 30, 2007

Quando as letras ganham Luz...


Quando as letras ganham luz forma-se a palavra... Quando a palavra se transforma conseguimos ver a imagem. E este é o poder da imaginação!
O meu blog não tinha “luz” de propósito. Preferi criá-lo só com letras e assim dar mais espaço à imaginação.
Quem me lesse, preto no branco (neste caso, branco no azul), sem imagens nem distracções, conseguiria ver tudo o que eu queria transmitir... Este era o desejo.
Mas as coisas mudam. E assumir a mudança é um passo em frente! Por isso, devo assumir publicamente que sinto falta de luz neste espaço.
Eu sou, e sempre fui, pelas Letras! Porque têm o poder infinito de descrever tudo o que quisermos. Mas, se tenho a sorte de poder apreciar a beleza do mundo e dos momentos que ele nos oferece, então porque não juntar letras com imagens, dividindo o seu resultado?
A partir de hoje o blog cheio de letras vai ser pontuado com imagens!
As imagens vão reflectir 1000 palavras e colorir o nosso imaginário.
Vou abrir as cortinas e deixar o Sol entrar ☺
Acham boa ideia?

Friday, June 29, 2007

A fábula da vontade

Certo dia um velho índio disse:
"Sinto que tenho dois cães dentro de mim. Um é mau e cruel, o outro é meigo e bom. E andam sempre à luta..."
Perguntaram-lhe: "Mas qual dos dois é que vence?"
O velho índio pensou uns instantes e depois respondeu:
"Vence o que eu alimentar melhor..."

Nos últimos dias tenho dado de comer ao cão mau e ele tem crescido. Tanto que quase tomou conta de mim.
Mas o cão bom, embora enfraquecido, não parava de gemer e a sua dor acordou-me. Dei-lhe colo e atenção, mimos e dedicação. Ele ficou forte e agradecido e quando voltou a ter de enfrentar o cão mau e cruel não hesitou: Rosnou, avançou e ganhou. Hoje só um deles vive dentro de mim.
Quero ser forte e poderosa, capaz de o alimentar para sempre. E assim, ser portadora de toda a bondade que ele me transmite.

Monday, June 25, 2007

15 anos que valem por 75

O cão mais bonito do Mundo chama-se Twiky e é meu.
Bem… é meio meu. Divido-o com a minha irmã há 15 anos.
Em 1992 passámos 15 dias sozinhas com o nosso pai, na Venda do Pinheiro. Ele tinha saído de casa e as nossas férias grandes foram, pela primeira vez, repartidas entre pai e mãe.
Foi numa dessas noites que o meu pai apareceu lá em casa com o Twiky.
Pequenino, reguila e liiiiindo de morrer. Ficámos doidas!
Sempre quisemos ter um cão e chamá-lo Twiky (como o robot do Buck Rogers). Na altura éramos umas adolescentes em ascensão. Fumávamos os primeiros cigarros, dávamos os primeiros beijinhos ás escondidas no jardim e ter um cão era a desculpa perfeita para nos pirarmos mais vezes de casa.
A minha Mãe é que não achou muita piada à oferta. Um cão lá em casa?? Devíamos estar a gozar! Avisou logo que nós é que seríamos sempre responsáveis por ele, que não queria a casa suja e muito menos ter de o passear. Mas nós assumimos essa responsabilidade com alegria.
Cresceu no meio de gritos e confusões. Quando a nossa Mãe nos ralhava ele ladrava. Quando havia discussões ele também participava. Ladrava tanto e tão alto que nós tínhamos que nos calar para ele também se calar. E depois vinha-nos beijar... Cresceu stressado no meio de 3 mulheres diferentes, revoltadas e inconformadas, que se amavam mas não sabiam como lidar com tantas mudanças. Infelizmente, não foram poucas as vezes que descarreguei nele a raiva que sentia por tudo o que nos estava a acontecer. Mas ele continuou a amar-me, a perdoar-me e a mimar-me.
Acompanhou de perto o período mais negro da nossa vida. Dizem que os cães percebem e sentem muito mais do que imaginamos e, naquela altura, eu vi isso acontecer.
Nos últimos dias de vida da nossa Mãe o Twiky também andava triste. No dia em que a minha Mãe morreu a casa encheu-se de pessoas. Pessoas que ele já conhecia e outras que nunca tinha visto. Numa situação normal, ele não deixaria essas pessoas saírem lá de casa sem serem todas cheiradas e abalroadas umas 300 vezes. Mas nesse dia ele não saiu da marquise. Via as pessoas a passarem por ele e não se mexia. Ninguém o viu, nem o ouviu. Ele só suspirava… E isto é mesmo verdade! Nunca o tínhamos visto tão triste.
À noite, depois de todos se terem ido embora, eu e a minha irmã estávamos no pátio, caladas, a fumar um cigarro e a olhar para as estrelas.
Reparámos, ao mesmo tempo, numa estrela mais brilhante que todas as outras. Parecia estar a brilhar para nós. Falámos nisso e apontámos a estrela. Nesse instante, o cão que estava deitado aos nossos pés, saltou para cima da casota e olhou fixamente para o céu.
Depois sentou-se muito direito e virou-se para nós. Sorrimos e dissemos-lhe: “É a Mãe Twiky? Será que já está a olhar por nós?” Ele voltou a olhar para a estrela e começou a ladrar freneticamente. A seguir virou-se para trás e beijou cada uma de nós.
Ele é a nossa alegria e já não sabemos viver sem ele. Claro que vai chegar o dia em que o vamos perder, mas quanto mais tarde melhor. Na verdade, nem queremos pensar muito nisso...
Continua a ser ele que nos passeia, puxando-nos com toda a força em direcção ao jardim. Apesar de já estar velhote, surdo e de a força nas patas já começar a faltar, a alegria e o entusiasmo continuam os mesmos.
O Twiky não é só um cão... Faz parte da nossa vida! Ouviu segredos, lambeu-nos as lágrimas, fez-nos rir quando só nos apetecia fugir. É muito mais do que um cão... É parte das nossas memórias, é o nosso guarda, o nosso compincha... Apesar de ser resmungão, teimoso e caprichoso, também é paciente e meigo... Tem uma personalidade única e nem precisa de falar porque sabe como comunicar connosco. Percebe-nos, sente-nos e conforta-nos. Como um irmão.
Parabéns meu Twikyzico lindo!

Thursday, June 21, 2007

Viram o Verão?

Parece que chega hoje, por volta das sete da noite, mas só vendo é que acredito…
Eu ainda sou do tempo em que o Verão começava sempre na mesma altura, assim como as restantes estações. No Inverno tínhamos frio e no Verão tínhamos calor. Agora o tempo faz o que lhe apetece e o que lhe apetece deve ser trocar-nos as voltas!
Não sabemos o que vestir, nem quando tirar férias, nem podemos marcar com antecedência um fim de semana de praia. Temos de esperar para ver o que apetece ao tempo nesse dia.
Serão sinais dos novos tempos? Ou sinal do fim dos tempos?
Mesmo assim marquei férias para o início de Julho. Resta-me fazer figas para que o Verão não falhe ;)

Tuesday, June 12, 2007

Grrrrrrrr!

Enervada, chateada, irritada, revoltada, sentida, sensível, rabugenta, impaciente, incomodada, desagradável, antipática, chata, mal-humorada, mal-disposta, nervosa, enervada, agitada, inquieta, rezingona, insuportável, irrequieta, maçada…
As putas das hormonas estão a dar comigo em doida! Chiça!!