Um blog cheio de ideias. Algumas soltas... outras nem tanto! Foi a forma de uma copy perdida se encontrar, finalmente, com as suas palavras... E consigo mesma.

Thursday, February 15, 2007

Carta aberta ao meu Pai

"Paizão,
Não queria deixar de te dizer que já estava à espera disto... No Domingo eu senti mesmo muitas dores e perdi muito sangue. Não podia ser normal... Só que a esperança foi mesmo a última a morrer.
Apesar de estarmos tristes aprendemos a nossa lição. Não nos podemos entusiasmar tanto com algo tão imprevisível como é o corpo humano. Tudo depende de tudo!
Não me vou culpabilizar por nada porque sei que tive cuidados. Portei-me bem, alimentei-me bem... Até deixei de beber café.
Não vamos desistir. Agora sabemos que afinal sempre funcionamos. Engravidei mesmo! O meu corpo rejeitou-o porque, tal como explicou o medico, tinha alguma má formação. E foi melhor agora do que daqui para a frente.
No entanto só nós sabemos o que esta semana significou nas nossas vidas... Pela primeira vez, realizámos o desejo de falar como PAIS. Eu falava no plural e o Pedro perguntava: "Como estão os meus amores". Estávamos tão ansiosos por apreciar este sentimento que nem considerámos que poderia correr mal.
Agora que já acordámos desta ilusão temos de reunir forças (que também descobrimos que temos) e andar para a frente.
Sinto-me muito triste e vazia de tudo o que já pensava que era meu. Sinto-me fraca, mas sei que vou arrebitar e voltar a acreditar.
Tenho de me concentrar nas coisas boas que tenho, como a minha família que está sempre presente, o marido que me mima e me percebe, o emprego que adoro, a saúde, os amigos... tanta coisa.
É isto que temos que nos permite sonhar com o que nos falta e é nisto que nos vamos apoiar.
Não fiques triste porque enquanto há vida há esperança. E o que não nos mata torna-nos mais fortes :) Vai correr tudo bem.
O que mais me revolta neste momento foi ter acreditado tanto. E não sei como evitar isto no futuro...

Um beijinho (triste) da filha que muito te ama,

Moni"

4 Comments:

Anonymous Anonymous said...

Uma carta "aberta" para o teu pai...fui curiosa e não pude deixar de ler nem de controlar as lágrimas.

Nós também estamos tristes, partilhámos contigo as esperanças, a alegria, as preocupações e desilusão.

O importante é que continuamos aqui, para te apoiar, para te ajudar no que for preciso, para dar força, para partilhar...

Gosto muito de ti.
Anokas

10:25 AM

 
Anonymous Anonymous said...

Monikita,
É bom saber que apesar de todo o sofrimento e tristeza, há esperança, há força, há amor, há saude e há uma vontade enorme de vida e felicidade.
A vida é uma aprendizagem...mas no meu ponto de vista não te deves revoltar por ter acreditado...acreditar é sinal que sabes aproveitar a vida e que sabes sonhar.
Espero aliás, que nunca deixes de acreditar !
Um abraço com carinho,
Ines

6:58 AM

 
Anonymous Anonymous said...

Qd soube era como se tb eu tivesse perdido algo mt importante...
Sentir.te triste é sentir.me triste!!
Na vida vamos tirando lições...ou aprendemos c elas e nos fortalecemos ou nos deixamos ir abaixo!!!Fico feliz por não se terem deixado ir abaixo!!!Vcs merecem o melhor!!!E p o bem e p o mal esta tua amiga aqui está...sempre c o coração aberto p te ouvir e consolar!!!Força!!!
Adoro.te muito
Cristina

8:46 AM

 
Blogger Catarina Viegas said...

Olá Monica
Antes de mais lamento imenso o que aconteceu. Porque não me contaste? Pois...eu sei muito bem por que não contaste. Mas miga...já vi que estás com muita força e isso é optimo.
Conta comigo para o que precisares,ok?
Adoro-te muito.
Catarina

10:49 AM

 

Post a Comment

Links to this post:

Create a Link

<< Home