Um blog cheio de ideias. Algumas soltas... outras nem tanto! Foi a forma de uma copy perdida se encontrar, finalmente, com as suas palavras... E consigo mesma.

Wednesday, October 04, 2006

Querido Diario

Sempre gostei muito de escrever.
Sinto facilidade em expressar-me desta forma, pois consigo revelar sentimentos que ditos, em vez de escritos, nunca saíriam tão bem, nunca teriam o mesmo impacto e nunca poderiam ser recordados.
Sei que escrevo com alma e coração, pondo tudo o que sou no que digo e no que quero transmitir.
Escrevo por prazer. Por amizade, por amor... e às vezes só por escrever.

Tenho um diário, desde os 14 anos, onde se encontra de tudo um pouco.
Conversas infantis e inocentes, amores perdidos e indecentes, dores, alegrias, conquistas, derrotas...
Quando o leio recordo a minha história. Sempre inacabada, mas cada vez com mais forma e conteúdo. Como eu...
É engraçado constatar que trato um simples molho de folhas por tu, como um amigo, que me ouve, percebe e perdoa tudo o que lhe digo.
Sem nunca me julgar ou criticar. O Amigo.
Ali estou eu. Nua e crua. Porque só eu o leio. Só eu me confronto com tantas perguntas e indecisões, tantos segredos e revelações.
Impossível poder ser lido por mais alguém. É meu. E não o partilho com ninguém.
Quando o folheio encontro amigos esquecidos no tempo, raivas antigas, amarguras e paixões.
Um rol infindável de citações, cartas escondidas, pensamentos soltos, ilusões desiludidas... As brincadeiras, as mentiras, as traições, os desgostos mais profundos... tudo o que me tocou está ali, preto no branco, para mais tarde recordar...
Tenho orgulho nele, e em tudo o que está lá escrito, e não lhe mudaria uma única linha, pois são palavras escritas a quente, no momento certo, com toda a verdade que isso implica.
Não me orgulho de tudo o que fiz, claro que não! Por vezes aquelas folhas transformam-se num carrasco implacável, um espelho que reflecte tudo o que sou, ou fui, por mais que me doa recordar.
Sou eu! Com todos os meus defeitos e virtudes.
Relato acontecimentos marcantes, fases complicadas, mágoas adormecidas... Critico pessoas e reacções, comento acções, reajo a provocações...
E sinto-me aliviada.
Como se tivesse dito e feito tudo o que queria. A quem queria.
É só um monte de folhas, mas cheias de vida...
Que vou continuar a encher e a apreciar até que a morte, um dia, nos separe.

1 Comments:

Anonymous Anonymous said...

E p q servem os diários??Hum??ehehe
Ninguém é perfeito..e eu adoro.te por isso tb..gostar das virtudes não custa nada,mas eu gosto dos teus defeitos!!!Aliás eu gosto mesmo mt de ti..és pura e sei q és uma amiga p Todas as ocasiões...
Q bom q é existires!!!
Beijo enorme
Cristina

10:47 AM

 

Post a Comment

Links to this post:

Create a Link

<< Home