Um blog cheio de ideias. Algumas soltas... outras nem tanto! Foi a forma de uma copy perdida se encontrar, finalmente, com as suas palavras... E consigo mesma.

Wednesday, August 09, 2006

Memória de peixe??

Hoje assisti a uma situação que me mexeu com os nervos. Tive de me conter para não começar a disparatar, dizendo tudo o que me vinha à cabeça.
Às vezes estes ímpetos não dão bom resultado, principalmente quando não conhecemos bem ou não temos ainda intimidade suficiente com a pessoa em questão.
Tenho um amigo (recente, mas decente) que está a viver o rescaldo de uma relação dolorosa.
Foi enganado, maltratado e ainda hoje permite-se a ser gozado.
A ex, uma mulher como tantas outras, está a ter um comportamento semelhante ao de uma fêmea dominante. Abandonou o lar, depois de o ter destruído com mentiras e traições, mas não consegue viver a vida dela sem estragar a dele.
Pelo menos é o que aparenta. Não se desligou e não permite que ele se desligue.
O meu amigo procura encontrar-se. Mas ela quer vê-lo perdido, abandonado.
Porque mesmo que ela ache que ele não é o homem certo para ela, também acha que não pode ser de mais ninguém. Fêmea dominante e infernizante, portanto.
É estranho… e faz-me pensar.
Há situações que não lembram ao Diabo. E há mulheres que não têm mesmo vergonha na cara.
Não sou nenhuma santa. Já tive relações (e ralações) suficientes para experimentar quase tudo no que diz respeito aos sentidos, mas…
Nunca gozei com ninguém. Quando amei, amei de verdade. Quando deixei de amar… segui em frente.
Nem sempre foi fácil. Por vezes é mesmo impossível não magoar as pessoas. Mas devemos tentar.
Tive de aprender a gerir situações de dor, tive de aprender a ser egoísta e a pensar só em mim, nos meus sentimentos, na minha vida. E também aprendi a recomeçar, a levantar a cabeça depois de chorar...
Aprendi que todos nós temos que gerir as nossas próprias dores. É inevitável.
Mas não me lembro de alguma vez ter feito alguém de palhaço. De ter magoado e mentido e enganado até à exaustão.
Porque respeito o ser humano. Porque me preocupo, apesar de às vezes este sentimento de termos de seguir em frente, parecer um "desligamento".
Não é. É a vida. Cada um tem a sua. E quando há uma situação de ruptura devemos permitir que cada um trate da sua.
Acabou. É estranho deixar de partilhar o espaço, o tempo, as conversas, os segredos, a amizade… mas é assim mesmo.
Por vezes consegue-se separar as águas e a amizade permanece. Outras vezes não.
Mas não permitir que a pessoa continue a viver sem nós? Continuar a aparecer e a abusar e a experimentar a dor dessa pessoa é desumano.
O ser humano é realmente complicado e as relações são cada vez mais dificeis.
Podíamos escrever e divagar eternamente sobre este assunto, sobre as vivências, traições, receios, ciúmes, fins, recomeços e afins.
Não é a altura… Hoje queria apenas revoltar-me contra aqueles que exploram e destroem o amor.
Porque não há sentimento mais antigo, mais bonito e mais puro do que este. E porque é o mais fácil de encontrar. Sem procurar, sem querer… bastando para isso estar disponível e bem consigo próprio.
Acabou o amor? Surgiu alguém mais interessante? Não deu? Paciência. Vamos seguir em frente. E deixar que os outros se encontrem também.
Todos os dias trazem algo de novo. Todos os dias são dias de viver, de aprender, de amar e de respeitar. Todos os dias são dias de conhecer e de nos darmos a conhecer.
Temos ainda tanta coisa para aprender, para dar, para receber, para VIVER.
Não quero dar uma de Madre Teresa de Calcutá, mas estas situações revoltam-me.
Sobretudo porque ele é muito boa pessoa, pacífico e só quer voltar a viver a vida dele.
Apesar de ser mulher, não consigo nem perceber, nem pactuar com estas atitudes. São apenas uma vergonha para a nossa espécie.
Sinto que o mundo seria um lugar bem mais agradável se a nossa memória fosse como a dos peixes…

0 Comments:

Post a Comment

Links to this post:

Create a Link

<< Home